Publicado em Casa, Deus, VIAGENS, vida

TU(a)Regue

ojos-negros-y-azules-01

Aquele que se orienta no deserto de dia ou de noite.

Seja hora de sol a pico ou a hora da estrela.

Memória da ancestralidade feita gente.

Resultado de imagem para memoria ancestral

Guia do guia que a gente sente.

Espelha a partilha no horizonte DESERTO outrora palmilhado.

Pirata do deserto por certo, abandonado de nome.

Amado ou Odiado mas jamais ignorado.

O sorriso da sapiente conquista.

 

Publicado em vida

CALLE Nu.dez

A MULHER DO MOMENTO

QUEM SABE FAZ O MOMENTO CERTO, CALLE RE.LIGA.

São, dez a doze, almas investidas de nudez em Ensaio para uma cartografia.

Nas artes do espetáculo há que ser resiliente, visionário e temperamental, não sendo condição bastaste é, indiscutivelmente condição suficiente. Principalmente insano, para poder resistir às demandas da vida; à Mônica Calle nada lhe falta.

É pássaro de fogo, renasce das cineastas cinzas a cada ato. Não se coíbe de permanecer apaixonada pelo que faz. Inversamente a Felix, só constrói sua pira ungida de ervas aromáticas só e quando, a paixão se ausenta; aí renasce, mais uma encenação vira tudo avesso. O ensaio alinhava-se com acordes, prossegue em pontas e termina com mestria.

Calle é o espetáculo sem acaso tem o Bolero de Ravel na Alma.  Monica traz à boca de cena as vestes, que despoja aos pés de quem as quer ver nuas.

Gostei mais do que senti. Ver com os 7 sinfónicos sentidos é tudo que nos pede.
João Villaret declamava um poema, que em criança me intrigou dizia, do que me recordo:

  • …” tire a roupa da janela, que essa roupa sem dona lembra-me a dona sem ela”.

Hoje sei o que me intrigava, era a roupa à janela… Confesso que um corpo sem roupa retida todo o mistério ao indivíduo, pensava eu.

Hoje sei onde reside o mistério, não é na roupa a menos ou a mais, não é no corpo sem ela. Não.

O mistério existe Alma.

A Alma que se despe Te.Liga, como que por magia a qualquer ponto do universo que nos In.Formou, neste pacote mais ou menos atrativo, mais ou menos vibrante que atrai ou Re.Pele.

Calle mostra a quem quer ver que, o processo é exatamente o inverso. O corpo é este, está aqui agora, vejam se conseguem ao fim de dez minutos permanecer apenas no corpo nu?!…

Sem duvida que os corpos são apenas e tão somente o embrulho, o conteúdo ou te desperta ou não, mas é inegável que nos espelha e aí, ou te ligas e assumes ou rejeitas o confronto e negas-te.

Sim. O confronto é inevitável. O que se rejeita no outro é o que não queremos aceitar em nós. Essa é a verdadeira missão do ator, como numa profissão de fé, Re.Liga-nos à essência.

Publicado em vida

Film.E(u)S

Se o filme fosse só meu, pegava com carinho take a take e, como um genuíno jogador de poker passeava o baralho entre as duas mãos, numa magia elástica, vezes sem conta, baralhava com a mestria de quem sabe sem deixar cair nenhum. Continue reading “Film.E(u)S”

Publicado em vida

BABEL

Torre de Babel situada entre os rios Tigre e Eufrates, na Mesopotâmia. É citada na bíblia, especialmente no Antigo Testamento, livro do Gêneses. De acordo com este, a torre teria sido construída pelos descendentes de Noé, na época em que o mundo inteiro falava apenas uma língua. Segundo os inúmeros relatos,Deus enfurecido pela soberba dos homens em se empenharem na empreitada de alcançar o mundo dos deuses causou uma forte ventania derrubando a torre e espalhado as pessoas sobre a Terra com idiomas diferentes, para confundi-las o verdadeiro entendimento residem em saber escutar para assim falar a mesma linguagem. Quem não escuta ou escuta e não entende, até pode falar a mesma língua mas não ouve nem canta a mesma canção. 


 A comunicação é a base de toda a concórdia ao querer ganhar tudo ao menor custo, não ouvindo o que se diz é o mesmo que falar sozinho. Cada burro tentando chegar ao seu fardo de palha, de costas um para o outro… ao invés de comerem o alternadamente ora de um ora de outro mas os dóis do mesmo ao mesmo tempo. Na torre de babel. falavam uma línguagem diferente embora a língua fosse a mesma e só uma. Por maior que fosse o esforço para perceber o que todos os outros diziam. Tão somente por seus produtos serem diferentes. A cada cabeça sua sentença 
Só um percebendo a intenção de Deus o homenageou com uma gargalhada. 

Todos os outros se calaram. Embora não percebendo de imediato o motivo de tal estridente e sonoro riso. Compreenderam… e como por contagio todos riram alto. Com o tempo foram entendendo novas formas de se comunicar. E sempre que não percebiam o que o outro estava dizendo riam em vez de gritar. 

Tal como na Torre de babel das muitas línguas que se fala a única realmente inspiradora é o riso.

Rir é a única linguagem realmente universal. A que nos permite ser e fazer feliz. A gargalhada é entendida por gregos e troianos

Rir é o melhor remédio para todo e qualquer mal.|. Entendido. 

 https://youtu.be/iWza_On7ajs

 

Publicado em vida

Drummond 

Quando me amei
Quando me amei de verdade, compreendi que em qualquer circunstância, eu estava no lugar certo, na hora certa, no momento exato. E, então, pude relaxar. Hoje sei que isso tem nome… auto-estima.

Quando me amei de verdade, pude perceber que a minha angústia, meu sofrimento emocional, não passa de um sinal de que estou indo contra as minhas verdades. Hoje sei que isso é… autenticidade.
Quando me amei de verdade, parei de desejar que a minha vida fosse diferente e comecei a ver que tudo o que acontece contribui para o meu crescimento. Hoje chamo isso de… amadurecimento.

Quando me amei de verdade, comecei a perceber como é ofensivo tentar forçar alguma situação ou alguém apenas para realizar aquilo que desejo, mesmo sabendo que não é o momento ou a pessoa não está preparada, inclusive eu mesmo. Hoje sei que o nome disso é… respeito.

Quando me amei de verdade, comecei a me livrar de tudo que não fosse saudável… pessoas, tarefas, crenças, tudo e qualquer coisa que me deixasse para baixo. De início, minha razão chamou essa atitude de egoísmo. Hoje sei que se chama… amor -próprio.

Quando me amei de verdade, deixei de temer meu tempo livre e desisti de fazer grandes planos, abandonei os projetos megalômanos de futuro. Hoje faço o que acho certo, o que gosto, quando quero e no meu próprio ritmo. Hoje sei que isso é… simplicidade.

Quando me amei de verdade, desisti de querer ter sempre razão e, com isso, errei muito menos vezes. Hoje descobri a… humildade.

Quando me amei de verdade, desisti de ficar revivendo o passado e de me preocupar muito com o futuro. Agora, me mantenho no presente, que é onde a vida acontece. Hoje vivo um dia de cada vez. Isso é… plenitude.

Quando me amei de verdade, percebi que a minha mente pode me atormentar e me decepcionar. Mas quando eu a coloco a serviço do meu coração, ela se torna uma grande e valiosa aliada. Tudo isso é…. saber viver!

A cada dia que vivo, mais me convenço de que o desperdício da vida está no amor que não damos, nas forças que não usamos, na prudência egoísta que nada arrisca, e que, esquivando-se do sofrimento, perdemos também a felicidade.”

Carlos Drummond de Andrade

Publicado em vida

A.Cor.Dar

Acordei para te acordar.
A cor dar. para A Vida.

Alguém acorda, somente, para dar cor à tua Vida.

Quantas vezes se olha a vida sem cor?


É como olhar a vida através de uma janela, vê-la passar, feita gente.
Até parece que Todos os que passam do lado de fora da janela filtrados pelo vidro do nosso olhar, são felizes, até parece. Cada um na sua vida saltitante, compassada ou corrida,  a viver a vida feita, derrubando barreira atras de barreira como tordos. Todos andam felizes a dar milho aos pombos.

O que é que a vida dos outros tem? Vemos cor na vida deles ? !… Do outro lado do vidro estamos nós, com as nossas dores, frustrações, angústias, dúvidas.

Sós. Assalariados de tal tesouro.

…..

Quando temos uma dor comum, por mais insuportável que a dor seja, é uma dor dividida. É uma dor cúmplice. Suportada por todos em uníssono. É uma dor domesticada, domada até.

É como estar do mesmo ao lado da trincheira. Na mesma divisão, sem vidros nas janelas, sem telhados, paredes ou muros. Nada nos separa da dor comum.

Através do vidro as cores mudam.

Todo o vidro distorce a cor da vida. E não é senão o nosso olhar. Tal como no sono, seremos apenas o reflexo de nós. Estamos ali deitados indefesos, sujeitos a reabastecer a energia perdia a ganhar para viver.

Avatares, deambulando o olhar,  através do vidro projectamos, pincelada a pincelada, nos que passam como se a vida deles tivesse a cor que queremos para nós.

Ao reconhecermos a dor que temos somamos ou subtraímos a cor da nossa vida. Tem cor primárias apenas ou secundárias também.  A paleta é nossa pintamos o quadro com as cores que dispomos. Somos responsáveis pelo colorido que damos à nossa existência.
Que cor tem a angústia, a frustração e em permanência a dúvida.

O salário da jornada, pode ser um eterno passeio, feito arco.iris. Ou somente uma caminho de asfalto negro, em tons mais ou menos cinzentos. Poderemos ver sempre o sol no reflexo das águas paradas de um qualquer lago, ao invés de olharmos direto.  As lentes através das quais olhamos a vida são só nossas.

Que cores tem a tua vida? A minha? A de todos que passam, para lá do vidro da minha janela?

…..

ACORDEI para te acordar
É a melhor frase com que se pode acordar para a vida.

ACORDA, somente PARA dar cor à tua Vida.

Para que possas olhar, ver, reparar nas cores que a vida, A TUA VIDA, tem a mostrar.

Publicado em vida

Ponto.acção

Separa o significado do significante. Simples e fácil. 
Uma vírgula é uma vírgula. 

Um ponto é um ponto.


Mas Ponto e vírgula já é outra coisa, quase um ponto final; quase parágrafo. Muda o sentido no sentido da frase. 

Então, se uma coisa é uma coisa e, outra coisa é outra coisa. 

Dito e feito. 

Ponto final. 

 Parágrafo. . 

Simples fácil e bem tolerado. 

Dito e feito

Publicado em vida

Fácil 

Des.Complica 
Separa o significado do significante. Simples e fácil. 

Uma vírgula é uma vírgula. 

Um ponto é um ponto.

Mas ponto e vírgula já é outra coisa, quase um ponto final; quase parágrafo. Muda o sentido no sentido da frase. 

Então, se uma coisa é uma coisa e, outra coisa é outra coisa. 

Ponto. Final. Parágrafo. 

Simples, fácil e bem tolerado. 

Dito e feito. 

P.S

Não é de.feito é Fastio.